Código de Ética

O Código de Ética foi criado para que a Associação atinja seu objetivo de unir forças, respeitando as características individuais, linha editorial e atuações de cada uma das empresas jornalísticas que integram o quadro associativo da Associação dos Jornais e Revistas de Bairro de São Paulo – Ajorb-SP

CÓDIGO DE ÉTICA

Considerando que os princípios éticos e morais devem presidir todas as atividades jornalísticas, bem como o relacionamento dos diretores e proprietários de jornais de bairros de São Paulo entre si;

Considerando que qualquer informação distorcida, critica não-salutar, que desvalorize qualquer jornal de bairro, implica evidentemente em desvalorização da classe como um todo;

Considerando que – quando um diretor de jornal ou seu preposto critica em público ou diretamente a representante de possíveis anunciantes outro jornal de bairro – não só prejudica, o veículo criticado, mas também a todos os jornais de bairro, inclusive e principalmente a si próprio, autor da crítica, porque este demonstra em público falta de ética;

Considerando que, apesar de ser normal e até salutar a concorrência entre si, se faz necessário o espírito de solidariedade e amizade entre os diretores e empresários de jornais;

Considerando finalmente que é imprescindível que os princípios éticos e morais devam estar presentes não só no relacionamento entre os empresários e diretores de jornais, mas também em todas as suas atividades empresariais e, principalmente, na editoria dos jornais de bairros, os filiados à ASSOCIAÇÃO DOS JORNAIS DE BAIRRO DE SÃO PAULO (AJORB) aprovam o seguinte Código de Ética, a que todos se comprometem a cumprir:

TÍTULO I – DO RELACIONAMENTO DOS DIRETORES DE JORNAIS ENTRE SI
Art.º 1.º – Os diretores e proprietários de jornais de bairro manterão elevado padrão de relacionamento entre si, não concorrendo deslealmente uns com os outros, sendo que a competição – quando for o caso – se dará tão somente pelo aprimoramento de sua editoria e qualidade de seus serviços.
Art.º – 2.º – Os diretores e proprietários de jornais desenvolverão o espírito de amizade e solidariedade entre si e, quando necessária a referência a outro veículo em público junto a anunciantes em potencial, se fará sempre de forma elegante, educada e imbuída de elevados valores éticos e morais; bem como orientarão seus prepostos para que assim também procedam.

TÍTULO II – DA ATITUDE ANTI-ÉTICA
Art.º – 3.º – É considerada atitude anti-ética:
utilizar-se de expediente imoral para angariar publicidade;
a referência depreciativa a qualquer jornal de bairro, filiado ou não-filiado à AJORB, pela imprensa ou qualquer veículo de comunicação, em público, por escrito ou ainda que verbalmente feita a agências de publicidade ou a anunciantes em geral sobre as atividades internas ou vida particular de outro colega;
fazer público índices, dados estatísticos com identificação do colega;
o aviltamento de preços, para prejudicar outro jornal de bairro;
aliciamento de empregados ou profissionais, pertencentes ao quadro de empregados de outro jornal de bairro; sem exigir que o empregado conceda aviso-prévio ao empregador, na forma em que dispõe a Legislação em vigor.
Art.º – 4.º – Os jornais de bairro, filiados à AJORB, sujeitarão as suas desinteligências ao arbítrio da AJORB, acatando as decisões, quando não solucionadas entre si’.

TÍTULO III – DAS PENALIDADES
Art.º – 5.º – O associado que infringir este Código estará sujeito às penalidades de advertência e exclusão do quadro de associados da AJORB.
Art.º – 6.º – A penalidade de advertência será aplicada pela Diretoria e a de exclusão pela Assembléia Geral Ordinária ou Extraordinária.